Valdeck Almeida de Jesus
O poeta da verdade!
CapaCapa Meu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
24/06/2008 22h14
São João é "Trem Bão"
Somente uma festa típica do interior nordestino pode renovar as energias da gente...

Eu planejei meu feriadão (sexta, sábado, domingo, segunda e terça) com bastante antecedência... Mas quase nada saiu como planejado. Graças a Deus!!!

Primeiro, eu sairia do trabalho, às 14 horas de sexta-feira, dia 20.06.2008, de Salvador, direto para Jequié/Ba. Iriam comigo: minha irmã China, meu cunhado Roberto, meu sobrinho Roberto Junior e uma amiga Louise. Roberto estuda à noite e perderia a aula para viajar. Louise estava com uma outra programação e dependeria de alguém desistir para que ela fosse com sua turma para Lafayete Coutinho.

Na quinta-feira, Felipe, meu amigo, me ligou e me pediu um favor: dormir em sua casa para pegar sua mãe, Lourdes, minha amiga, na rodoviária. Ela chegaria de Angra dos Reis/RJ, na sexta, 20, após quase seis meses adiando a volta à Bahia. Concordei, acertei tudo, mas depois me lembrei que eu viajaria... Pedi desculpas e lhe desejei Feliz São João... Cinco minutos depois retornei a ligação e disse que tinha adiado a viagem, somente para pegar minha amiga na estação rodoviária... Tudo acertado... Quando eu já tinha remarcado minha ida a Jequié, Felipe me liga e me pede desculpas: sua mãe remarcou a volta a Salvador para 08.07.2008... Durma-se com um barulho desses!!!

Resolvi aproveitar a esticada antes da viagem. Saí com Louise para tomar umas cervejas. Cheguei em casa à 01:00 h da madrugada de sábado... Acordei às 04:00 hs e parti uma hora depois para o interior, dirigindo, sonolento, morrendo de cansaço e pedindo a Deus que Jequié viesse ao meu encontro, para me poupar energias... Em Jequié, curti o São João com meus familiares. Comi canjica, bebi vinho e licor, provei milho verde, amendoim cozido, rabada, e tudo o que pude comer. Bebi pouca cerveja. Mas aproveitei a festa gratuita com bandas de forró na Praça da Bandeira, no sábado à noite.

Louise tinha ficado na festa e voltou para casa de madrugada. De manhã, caiu da cama, quebrou a testa e me deu preocupações. Levei-a ao Hospital Regional Prado Valadares, onde foi prontamente atendida e medicada. Fora de perigo, e com mais de um litro de glicose no corpo, ela dormiu o dia inteiro. Aproveitei e tirei o domingo para navegar na internet e responder aos e-mails, ler notícias de Salvador e região. Visitei alguns amigos, li um pouco e dormi à tarde. Resolvi não ir ao forró que rolava no centro da cidade. Fiquei perambulando pelas ruas da Cidade Sol até ficar com sono. Acabei dormindo a noite inteira.

Segunda-feira dei voltas e mais voltas por Jequié inteira, abasteci o carro, preparei as malas para o retorno... Depois, fui, com China, Roberto Jr, Louise e Valdeck Jr a Lagedo do Tabocal, visitar uma amiga: Silvinha. Rodamos a cidade inteira à procura dela e finalmente a encontramos num bingo que acontecia no centro da cidade. Durante o sorteio, acabei encontrando uns parentes que não via há mais de vinte anos. Fomos para a casa de Maxwel (primo ?) e sua esposa Léo (uma visinha de 20 anos atrás). Ali conheci o restante da família. Comemos, bebemos, conversamos e à noite voltei para Jequié, onde jantei com meus irmãos Valquíria, Vivaldo, Valdecy e Ivonete, bem como meus sobrinhos Roberto Junior, Paula Fernanda e Delma, sem esquecer meu filho Valdeck Junior.

Hoje, terça-feira, dia 24.06.2008, acabou a festa.
A viagem de volta a Salvador foi menos cansativa do que eu esperava. Às 9 horas, parti com Louise. Na ida a Jequié gastei 7 horas de viagem; para Salvador, somente 4,5 horas. O trânsito fluiu tranqüilo e sem sobressaltos. Agora estou me preparando para o trabalho, amanhã cedo...

Publicado por Valdeck Almeida de Jesus em 24/06/2008 às 22h14
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.