Valdeck Almeida de Jesus
O poeta da verdade!
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
30 Anos de Poesia
Autoria:
Ano: 2011
Tamanho: 297 KB
Formato: PDF
Sinopse:
30 páginas, 30 poemas, 30 anos de poesia compactadas em versos ora líricos, ora livres, ora rimáticos, ora Valdeck de Jesus mesmo. O que representa trinta anos de poesia na vida de um autor? O início ou o meio do caminho... Como versou Carlos Drummond de Andrade, "...no meio do caminho tinha uma pedra..." No meio do caminho tinha um obstáculo que alguns encontram ao longo do percurso, como há de ser em qualquer etapa ou estágio da vida. A pedra dantesca a que Drummond se referia, ainda incógnita, hoje tem inúmeros sentidos, análises e leituras semióticas. Afinal, a pedra drumondiana refere-se ao início ou ao meio do percurso? É isto, caros leitores, que o escritor nordestino, "o poeta das flores", ou das rosas, ou da confusão, da alegria-tristeza, do amor-ódio, da vida-morte, poeta (3ª pessoa do presente do indicativo do verbo fictício 'poetar') num divino e pungente paradoxo, em tom lírico que marca etapas difusas, corriqueiras, discrepantes e emblemáticas da vida. Esta 3ª pessoa que escreve faz com que o poeta seja sempre uma 3ª pessoa que vive além do ser empírico. Cenas tacanhas, imagens naturais, esboços de cenário urbano, sentimento e a própria dor do preconceito em páginas sintetizadas ao longo do livro. Num tom pessoal e íntimo, a poesia de Valdeck inicia o correr das páginas ou o início do caminho no ano de 1978, destacando o fim, o sofrimento da morte: "... Andreia Donadon Leal - Poeta e Contista


Comentários