Valdeck Almeida de Jesus
O poeta da verdade!
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks

Cruzamentos
Cruzamentos
(Ludilia Maria Isolina Chirindza)

Eu queria ser de novo moço
Como o mocinho dali da esquina;
O mocinho do jornal...

Eu queria ser de novo moço
Como um mocinho de recados
Sempre alegre e pronto para mais uma jornada
Queria sim ser de novo moço
Como o moço da minha aldeia que,
Sonhador e jovial
Se encanta embevecido nas suas próprias paixões

Eu queria ser de novo moço
Para na mesma inocência experimentar
Tudo de novo sem tropeçar

Queria ser de novo moço
Capaz de na mesma tesão rebuscar  
a razão da minha adesão
Tactear na escuridão da minha mente
A imensidão do Horizonte

Eu queria ser de novo moço
Capaz de no infindável sonhar da vida
Masturbar uma outra chance
E no mesmo percurso de antes, desarmar minhas ilusões

Queria sim ser de novo moço
Forjado na mesma imensidão
De esperanças sem fim

EU queria ser de novo moço
Como o mocinho da esquina ou o do jornal
Gritar indómito minhas vitórias como em cada jornal comprado
Eu só queria ser de novo o mesmo EU, como que;
Numa ejaculação precoce...  

Ludilia Maria Isolina Chirindza, natural de Lichinga província do Niassa- Moçambique, poetiza e professora tem os seus poemas publicados na antologia de poesias " jóias do Niassa" e " Esperança  certeza II". Licenciada em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa.
Ludilia Maria Isolina Chirindza
Enviado por Valdeck Almeida de Jesus em 11/02/2015


Comentários