Valdeck Almeida de Jesus
O poeta da verdade!
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks


Meu encontro com Paulo Coelho

Por: Valdeck Almeida de Jesus (*)
 
Eu sou um brasileiro médio, em estatura, inteligência e preconceito. Nunca li um livro do escritor que mais sucesso faz no mundo inteiro: Paulo Coelho. Talvez seja por causa da campanha ferrenha que se faz contra a literatura que ele escreve; pelo desdém com que os intelectuais e “grandes escritores” fazem da obra e da vida dele; ou talvez seja porque eu não aprendi, ainda, a pensar por mim mesmo, a seguir meus próprios instintos ou a fazer o que me der na telha... Talvez!
 
Talvez sim, talvez não... Mas os caminhos tortos e as escritas certas seguem o rumo que a vida lhes designa, independentemente do ladrar dos cães. Minha trilha rumo ao aclamado e badalado escritor, no entanto, insistia em ladrar para mim, que não lhe dava ouvidos... O primeiro sinal foi enviado pelo Facebook: um amigo baiano que vive na Suíça me indicou três pessoas para que eu adicionasse no ‘Face’ ou no MSN. Uma delas era Mariana Brasil. Não lhe dei ouvidos. Achei que não estava a fim de adicionar e não adicionei. Pronto. Instinto. Mas instinto nem sempre nos guia para o caminho certo.
 
E a rota de minha vida seguia, por si, me levando a estradas que eu nunca tinha pensado em trilhar. Através de Jacqueline Aisenman, amiga escritora e proprietária da Livraria Varal do Brasil, fui para Genebra, Suíça, participar do 26º Salão do Livro e Imprensa. Nem fazia ideia que Paulo Coelho estaria no evento. Na correria, também não acompanhei a lista de escritoras e escritores brasileiros que estariam no encontro. Nelma de Streel foi a primeira a me ciceronear, sair comigo pela cidade, me mostrar os cantos e encantos de Genebra. Foi como uma irmã que eu não via há muito tempo... Fiquei muito feliz em poder compartilhar alguns momentos junto a ela, que tem um coração e uma alma do tamanho do mundo.
 
Como o mundo é pequeno e Nelma tinha um mundaréu de coisas pra fazer, não conseguiu me pegar no hotel no dia seguinte. Pediu a uma escritora para me dar uma força. Quem? Mariana Brasil. E ali começou uma nova amizade, uma relação de papos, conversas francas, como se fôssemos conhecidos de longas datas. Mariana é de um carinho e de uma sensibilidade que contagiam. Ouvi histórias dela e contei alguns episódios meus também, que foram ouvidos atentamente. Saímos para comer juntos, fomos ao Centro Espírita, sorrimos, fizemos piquenique, acompanhados, também, por Ignez Agra, amiga em comum e por Ana Miquelin, irmã de Mariana. Bem...
 
Conversa vai, conversa vem, Mariana caminhou comigo pelas ruas do Pâquis, fomos ao bar e restaurante Vera Cruz, ela me apresentou amigos de longas datas. Quando eu soube melhor do episódio ocorrido entre ela e Paulo Coelho, que resultou no livro “Onze Minutos”, dele, baseado nos manuscritos de Mariana, me dei conta que estava mais próximo do grande ídolo que nunca... Detalhe: eu estava hospedado num hotel na Rua de Berna, mesma rua em que Mariana e Paulo caminharam, onde ele conheceu as histórias contadas no “Manuscrito de Sônia”. Era o sinal. Eu tinha que ter ido a Genebra e estes contatos não foram por acaso...
 
Os manuscritos de Mariana estão em minha mão, em forma de livro, versão em português. Lerei a obra e, depois, mergulharei nos onze minutos, a fim de conhecer melhor os dois escritores. Mariana estava ali ao meu lado o tempo todo. Pude desfrutar da amizade e da presença. Paulo estava no Salão do Livro de Genebra, mas eu não pude esperar até o último dia para vê-lo, nem que fosse de longe. Mas as conexões já tinham se estabelecido, através da bela e sensível Mariana. De qualquer forma, mesmo que eu nunca o encontre pessoalmente, já valeu a pena ter feito esta viagem. Meus onze minutos, meu Caminho de Santiago e todas as terapias que eu necessitava fazer foram substituídos pela troca de energias que fiz com a cidade e com os brasileiros que ali vivem...
 
(*) Valdeck Almeida de Jesus é jornalista, escritor e poeta. Publicou os livros “Memorial do Inferno”, “Feitiço contra o feiticeiro”, “Sim, sou gay... E daí?”, “Valdeck é Prosa e Vanise é Poesia” e promove um concurso internacional de poesias desde 2005. Site pessoal:
www.galinhapulando.com

Fonte: Boletim Iteia
Valdeck Almeida de Jesus
Enviado por Valdeck Almeida de Jesus em 08/05/2012


Comentários