Valdeck Almeida de Jesus
O poeta da verdade!
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks

Poema Toque do Berimbau
Poema Toque do Berimbau
(Jones Storm)

Eles foram arrancados
Totalmente das suas culturas
Seus planos metralhados
Sofreram sem ajuda
Dentro de porões
De navios negreiros
Discriminados pela cor da pele
E dos seus cabelos
Ao ver o brilho do sorriso da criança
Terem se perdido juntamente
Com sua infância
Ao imaginarem sobre o fato ocorrido

Perceberam todos que seus pais
Tinham morrido
Com o toque do berimbau
Tratados como animal
Não me canso de dizer
Que essa gente tem valor
Preste muita atenção no preço da dor
Que eles passaram
Frio calor, saudade e solidão.
Negros de várias tribos
Para não causar rebelião
Capitão do mato motivo de medo
Mas se escondiam nas senzalas
Em total segredo
Para alegria dos andares
Encontraram quem?
Zumbi dos palmares
Guerreiro que lutou
Guerreiro que viveu
Pena que dia 20 ele morreu
Ainda são julgados
Por sua cor
E se pudessem ser escravos
Talvez o preconceito
Os tinham acorrentados
E se duvida que essa gente
Um dia cresça
Presta só atenção
Em Obama na presidência.
quem sabe um dia
tudo floresça?

Jones Storm é estudante de jornalismo, nascido em 1995, baiano, soteropolitano. Amante da família e nas horas vagas escreve com o sonho de mudar o mundo com sua escrita.
Jones Storm
Enviado por Valdeck Almeida de Jesus em 01/06/2015


Comentários